Colunas / Notícias


Você está em: Home > Notícias > Mundo >Papa: multiplicar os bens para todos. Capitalismo produz exclusões

Papa: multiplicar os bens para todos. Capitalismo produz exclusões

05/02/2017 10:01:32

ALTERA O
TAMANHO DA LETRA



O Projeto “Economia de Comunhão” (EdC) surgiu em maio de 1991

 Cidade do Vaticano (RV) – O Santo Padre recebeu, na manhã deste sábado (04/02), na Sala Paulo VI, mais de mil representantes da “Economia de Comunhão”, promovido pelo Movimento dos Focolares, que realiza um encontro em Castelgandolfo de 1° a 5 de fevereiro.

O Projeto “Economia de Comunhão” (EdC) surgiu em maio de 1991, após uma visita de Chiara Lubich ao Brasil, como resposta concreta ao problema social e ao desequilíbrio econômico do país e do capitalismo em geral.

Com efeito, em seu discurso aos numerosos presentes, provenientes de 49 países, o Papa refletiu sobre os termos “Economia e Comunhão” de particular interesse:

“Economia e comunhão: duas palavras que a cultura de hoje mantém bem separadas e, muitas vezes, até as considera opostas. Duas palavras que, ao invés, vocês uniram, respondendo ao convite que Chiara Lubich fez no Brasil, há 25 anos. Diante das desigualdades que percebeu na cidade de São Paulo, ela exortou aos empresários a se tornarem agentes criativos e competentes de comunhão”.

De fato, ponderou Francisco, o empresário é considerado pelo Movimento dos Focolares como “agente de comunhão”, um novo modo de encarar as empresas e a economia. Uma empresa não deve destruir a comunhão entre as pessoas, mas edificá-la e promovê-la. A comunhão espiritual dos corações é mais plena quando se torna comunhão de bens, de talentos e de lucros.

Aqui o Santo Padre refletiu sobre três aspectos concernentes ao Projeto dos Focolares: o dinheiro, a pobreza e o futuro. Sobre o primeiro aspecto, disse:

“É muito importante que ao centro da economia de comunhão esteja a comunhão das entradas. A economia de comunhão também é comunhão de lucros, expressão da comunhão de vida. Muitas vezes falei sobre o dinheiro como ídolo, quando se torna objetivo de vida e pecado de idolatria. Mas, o dinheiro é importante, sobretudo, quando falta e quando dele dependem a alimentação, a escola e o futuro dos filhos”.

A riqueza, acrescentou o Pontífice, é a mais nova divindade, em nossos dias, que destrói milhões de famílias no mundo. Diante desta realidade, os Focolares escolheram colocar os lucros em comum, compartilhando-os com os pobres e para dar instrução e trabalho aos jovens. Assim, o Papa passou ao segundo aspecto da sua reflexão: a pobreza, um tema central para o Movimento fundado por Chiara Lubich:

“Hoje, são lançadas diversas iniciativas, públicas e particulares, para combater a pobreza, para o crescimento da humanidade. Na Bíblia, os pobres, os órfãos e as viúvas eram descartados pela sociedade. Hoje, foram inventados diversos modos para ajudar, matar a fome e instruir os pobres. Não obstante, o capitalismo continua a produzir descartes e exclusões”.

A economia de comunhão, afirmou Francisco, se quiser ser fiel ao seu carisma, deve criar um sistema econômico-social para salvar as vítimas do capitalismo. Um empresário de comunhão deve ser como o pai misericordioso da parábola evangélica do Filho Pródigo. Por fim, o Papa falou sobre o terceiro aspecto da Economia de Comunhão: o futuro:

“Estes 25 anos da história da Economia de Comunhão confirmam que a comunhão e as empresas podem crescer lado a lado. Comunhão é a multiplicação dos bens para todos. A economia de hoje precisa da alma dos empresários e da fraternidade respeitosa e humilde. É preciso compartilhar mais os lucros para combater a idolatria do dinheiro”.

O Santo Padre concluiu seu pronunciamento aos numerosos participantes no encontro de “Economia e Comunhão” convidando o Movimento dos Focolares a continuar a mudar as estruturas sociais para evitar as vítimas do descarte e da exclusão. “Continuem, disse, a ser sal e fermento de uma nova economia, a Economia do Reino, onde os ricos partilham suas riquezas e os pobres são chamados bem-aventurados”.

Representantes brasileiros com Francisco

Antes de o Papa pronunciar o seu discurso, a curitibana Maria Helena Ferreira Fonseca Faller, Presidente da Associação Brasileira de Economia e Comunhão, fez a seguinte saudação:

 

Origem do Projeto

Dirigida de modo particular às Empresas, a proposta da “Economia de Comunhão”, lançada no Brasil, em 1991, por Chiara Lubich, fundadora do Movimento dos Focolares, coloca em comum a riqueza produzida e fundamenta a dinâmica operacional sobre a comunhão e a fraternidade. Atualmente centenas de empresas, no mundo inteiro, inspiram-se neste Projeto para adotar um controle centralizado na fraternidade e partilhar a riqueza produzida.

A “Economia de Comunhão” suscita o surgimento dos chamados “polos industriais”, inseridos nas Mariápolis permanentes, pequenos “núcleos de testemunho” do Movimento dos Focolares.

Os polos industriais, construídos nestes anos no Brasil, Argentina, Itália, Croácia, Bélgica e Portugal, indicam uma economia onde, produzir e trabalhar, são verdadeiras expressões da lei evangélica do amor recíproco.

O Projeto “Economia de Comunhão”, na sua totalidade, tem o objetivo de trabalhar por uma humanidade “sem indigentes”, em vários níveis. Com a criação de trabalho, pode-se envolver os excluídos do sistema econômico e social, mediante uma cultura da partilha e da comunhão, a criação de iniciativas educativas e culturais e ajudas concretas aos projetos de desenvolvimento. (MT)

Fonte: Rádio Vaticano

Veja Também


Del.icio.us Digg Stumble Google
Windows Live Favoritos Página Inicial Imprimir
FaceBook Twitter

Radio Jubileu FM - Todos os direitos reservados @ 2010
Rua Manoel Espírito Santo, 321 - Bairro Grageru - Tel: 79 3232 - 1727